Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008

Paul Mathieu – Artista Plástico, uma escolha de vida


Autor: Paul Mathieu
Nº págs: 128

Formato: 225 x 280 mm

Género: Álbum de Arte
PVP: 36,75 € (35€ + IVA)

Clique aqui para comprar online

 

Paul Mathieu é um pintor de continuidade. O seu público fiel já sabe que das suas obras se respira sempre o ar tranquilo de quem encontrou um caminho e o percorre sem pressas, saboreando e dando-nos a saborear uma alma gentil na busca da harmonia.

 

As suas telas, de um cromatismo gestual intenso e poderoso, entregam-nos sempre à noção de espaço sem tempo no qual todas as divagações se tornam possíveis. Um mundo de cor e de formas encantatórias porque delas se acede às nossas próprias representações imagéticas. Nas suas pinturas escondem-se sempre os nossos próprios desejos do Belo, escondidos e simultaneamente despertos por detrás das suas pinceladas de veludo e cores quentes.

 

Observar a obra de Paul Mathieu é olhar para uma produção artística coerente, marcada por um ritmo certo de evolução e afinação, ao desenvolvimento de uma linguagem muito própria e indisfarçavelmente pessoal. São raros os pintores que conseguem atingir o grau de personalização que os identifica fora da assinatura. Paul Mathieu é um deles. A sua pintura, de um estilo abstraccionista muito pessoal, tem a marca dos criadores de linguagens novas, interpretando e reinterpretando em permanência o próprio caminho percorrido.

 

Editar em livro a obra de Paul Mathieu é por isso um privilégio que muito honra o Museu da Água de Lisboa. Divulgar, disseminar e fazer evoluir sempre foram matérias muito caras a este Museu que, com esta edição, está certo de contribuir para o enriquecimento dos muitos leitores e visitantes que, a partir de agora, não poderão certamente deixar de ter em Paul Mathieu mais uma das referências deste início de século.

 

Paul Mathieu inventa um vocabulário cromático e cria um desenhar de emoções inteiramente novos. Depois, mistura na sua paleta individual todos os ciclos de realidade que a vida lhe vai apresentando e traduz-nos todo esse mundo num seríssimo trabalho de pesquisa e de definição de um rumo autónomo na pintura.

 

A sua pintura. Igual a nenhuma outra, como não podia deixar de ser.

 

Margarida Ruas Gil Costa

Directora do Museu da Água

 

 

tags: ,
publicado por jps às 11:44
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar

 
Contacto

Links

tags

todas as tags

posts recentes

Paul Mathieu – Artista Pl...

arquivos

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Novembro 2006

Junho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Agosto 2005

blogs SAPO

subscrever feeds